+55 21 3550-4400 contato@mottaefaria.com.br

Covid-19 e a Resiliência Feminina

Não é palpite nem fake news. As mulheres têm probabilidade menor de ficar gravemente doentes quando infectadas e estão mais propensas a sobreviver à Covid-19.  Elas estão em menor número não só de casos positivados como também entre as mortes causadas pela pandemia.

A confirmação dessa característica que tem sido verificada nas populações da China, Itália e EUA, levou cientistas americanos a investigar as razões que justificariam essa resiliência feminina frente ao novo coronavírus (Sars-Cov-2).

A conclusão dos estudos que envolveu, dentre outros, o Hospital Cedars-Sinai de Los Angeles foi no sentido de que os hormônios femininos estrogênio e progesterona protegem as mulheres, cujos organismos os produzem em quantidades muito maiores que os homens, mais eficazmente na prevenção de reações exageradas prejudiciais do sistema imunológico, como ocorre com a Covid-19.  O que também explica a baixa contaminação de mulheres grávidas.

No esforço de salvar mais vidas, cientistas americanos já começaram a testar tratamentos com hormônios femininos em homens internados com comprometimento respiratório grave. O tratamento adotado ainda em abril, em um hospital de Nova York, cidade em que a taxa de mortalidade masculina decorrente do novo coronavírus (Sars-Cov-2) é o dobro da feminina , foi iniciado com a administração do estrogênio a que se seguirá a da progesterona.  A administração de ambos os hormônios, por curtos períodos é considerada segura.

Segundo a médica pneumologista e intensivista SARA GHANDEHARI  do Cedars-Sinai de Los Angeles, os cientistas apostam mais na progesterona visto que “este hormônio reduz a inflamação das células imunológicas e ajuda no combate às inflamações”, exatamente o que se busca no combate a Covid-19.

Esperamos que a nova descoberta possa ser de real valor no combate a Covid-19 e que também contribua para o desenvolvimento de tratamentos que favoreçam a saúde e o sistema imunológico de mulheres e homens.

Fonte NYTimes

Gloria Faria 02/05/2020